sexta-feira, 2 de maio de 2014

Gripe ou resfriado? Entenda a diferença


É comum a confusão entre gripe e resfriado. Muitos atribuem erroneamente o mesmo conceito a ambas, o que não é correto.

Enquanto o resfriado é causado por um conjunto de vírus respiratórios – entre eles o matapneumovírus, vírus sincicial respiratório e o coronavírus, por exemplo, a gripe é causada pelo vírus da influenza.

O principal fator que gera esta confusão é a coincidência dos sintomas. Nariz entupido ou escorrendo (coriza) e tosse estão presentes em ambas as patologias. A diferença é que a gripe é mais intensa, e pode vir acompanhada de febre, cansaço e fadiga, além do fato de oferecer maior risco de complicações.

“Uma gripe pode, mais comumente, ser seguida de um quadro de pneumonia viral, ou de uma invasão bacteriana. Estas complicações são bem menos frequentes no caso de um resfriado”, explica o dr. Rodrigo Abensur Athanazio, diretor de divulgação da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT).


Prevenção e tratamento :

A gravidade da gripe é proporcional à vulnerabilidade dos pacientes, e estão geralmente nos extremos da idade os mais acometidos: crianças menores de cinco anos de idade e adultos a partir dos 60 anos.

Também devem estar atentos aos sintomas portadores de doenças cardiológicas ou pulmonares, e aqueles com reduzida imunidade, como os HIV positivos, portadores de doenças reumatológicas ou que não têm o baço.

Para prevenir complicações, especialmente com o fim do verão e queda da temperatura, é importante evitar ambientes fechados e aglomerações de pessoas, pois são locais propícios para a propagação do vírus.

Outras medidas importantes, alerta o dr. Rodrigo, são lavar as mãos e utilizar o álcool em gel, pois o vírus pode ser transmitido tanto por contato direto após disseminação por espirros e tosse como por contato indireto, por exemplo, ao encostar a mão contaminada próximo às vias aéreas superiores. 


A vacina também é muito importante e sua indicação deve ser discutida com o médico.


Novo ano, nova vacina :

É importante frisar que os vírus Influenza sofrem mutações. Para acompanhá-las, novas vacinas são produzidas, adequadas aos vírus mais frequentes no ano vigente.

“Mesmo os indivíduos que já receberam a vacina em anos anteriores devem se vacinar novamente.”


Enviado por : Chico Damaso

As principais doenças crônicas do fígado e as causas mais frequentes do câncer do fígado


Sociedade Brasileira de Patologia alerta que gordura e consumo excessivo de álcool também afetam o funcionamento do órgão

Nos últimos meses, o câncer de fígado vem ganhando espaço na mídia, associado ao uso de anabolizantes.

Porém, não é apenas o uso desse produto que afeta o funcionamento do fígado - outros fatores como consumo excessivo de álcool e hepatites podem alterar o funcionamento do órgão.

“As duas grandes causas de cirrose e de câncer de fígado em todo o mundo atual são infecções virais como hepatites C e B e as doenças gordurosas do fígado, sejam elas decorrentes de etilismo ou de distúrbios metabólicos associados à obesidade e/ou diabetes”, comenta o médico professor Venâncio Avancini Ferreira Alves, membro da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP) e professor titular do Departamento de Patologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o câncer de fígado é um dos mais comuns entre homens, com 7,5% do total de casos entre o sexo masculino. É também um dos que mais matam, devido ao diagnóstico tardio ou dificuldade no tratamento.

Alves ainda alerta que aproximadamente entre 80% e 90% dos casos com este tipo de câncer são associados à cirrose, podendo ter evolução inicialmente silenciosa e lenta; a maior parte é inicialmente assintomática, ou seja, sem sintomas, podendo se manifestar naqueles pacientes com doença em estágios mais avançados: dor no hipocôndrio direito, aumento do volume abdominal, febre e icterícia.

O diagnóstico precoce é uma das maneiras mais eficazes para combater a doença.

O procedimento é realizado por exames clínicos como dosagem de proteínas produzidas pelo tumor e identificáveis por exames de sangue específicos (alfa-fetoproteína), exames de imagem como ultrassonografia de abdômen, ressonância magnética e tomografia computadorizada.

Quando um nódulo é identificado, além do exame de imagem, a caracterização histológica pode ser buscada mediante biópsia.

Na maior parte dos casos, utiliza-se a biópsia por agulha, sendo o diagnóstico histológico efetuado por um médico patologista.

“Quando diagnosticado precocemente, ou seja, com o nódulo tumoral inferior a 2 cm, quando ainda é possível a ressecção ou o transplante, o índice de sobrevida em cinco anos chega próximo de 90 %.

Nos casos mais avançados, essa taxa de sobrevida cai cerca de 10%”, comenta o patologista.

“Outro avanço tem sido a reconsideração dos principais grupos de especialistas internacionais no sentido de voltar a efetuar a biópsia por agulha grossa dirigida por ultrassom ou por tomografia com finalidade de obtenção do diagnóstico histopatológico, identificando o tipo de lesão, sua graduação, análises moleculares, oferecendo, assim, informes úteis para a seleção da melhor estratégia para tratamento”, finaliza Alves.

Enviado por : Thais Paheco - RS Press

Como as cores influenciam seu dia-a-dia


Tratamento alternativo e decoração interferem nas reações das pessoas



No mês de abril é comemorado o Dia Mundial da Saúde. Em paralelo aos avanço tecnológicos da medicina, cresce dia a dia a procura por tratamentos alternativos como a cromoterapia.

O que poucos sabem é que uma escolha harmoniosa das cores na decoração de casa pode aumentar seu bem-estar.

A cromoterapia é a ciência que estuda as cores e aplica terapeuticamente suas características. Ela trata e equilibra o organismo, tanto nas desordens físicas, como emocionais. Cada cor do espectro de luz tem uma frequência, que vai desde o vermelho até o violeta. Para a acupunturista e cromoterapeuta Sabrina Gonsalvez, “é um tratamento eficaz, indolor, que pode facilmente ser feito em casa e é indicado para crianças, adultos e idosos.”

De acordo com Sabrina, “pintar as paredes de uma casa, com a ajuda dos conhecimentos da cromoterapia, certamente causará um benefício à saúde dos moradores e pode acelerar o processo de harmonização”.

Já o naturólogo e cromoterapeuta Guilherme Peniche afirma que “a escolha da cor de cada ambiente deve ser pensada, na verdade, não somente na estética, mas sim no seu lado funcional. Um quarto de criança em cor quente vai estimulá-la e dificilmente essa criança terá um sono reparador e tranquilo. Já um quarto de casal pode muito bem ter cores quentes”, diz.

Para entender melhor como funciona ao cromoterapia, Guilherme explica como o corpo reage às cores. “As células de nosso corpo, incluindo as células da pele (maior órgão sensorial que possuímos), são fotossensíveis. Eles reagem e captam as vibrações das cores.

Por exemplo, o corpo acorda melhor se dormimos com as cortinas abertas, porque a luz da manhã, captada pela pele, manda a informação pelos neurônios.

E, ao chegar ao cérebro, ela dispara uma tempestade de neurotransmissores, avisando que é hora de acordar.”

A força da cromoterapia não passou despercebida pela indústria de tintas. 

Para Angela Chapper, gerente de Marketing da Futura Tintas, de Guarulhos (SP), “sempre fazemos um estudo profundo quando desenvolvemos uma nova tonalidade de tinta, levando em conta as sensações que irá gerar em cada pessoa e em cada ambiente.”

Veja as funções terapêuticas de cada cor e aonde usá-las, em levantamento sobre cromoterapia feito pela Futura Tintas.

As cores frias (violeta, índigo e azul) têm um comprimento de onda longo, ou seja, têm a tendência de relaxar o corpo e diminuir a velocidade do nosso sistema nervoso.

Já as cores quentes (vermelho, laranja e amarelo), têm o comprimento de onda mais curto, por isso, tendem a despertar o organismo.

O verde e suas tonalidades são neutros e ajudam no equilíbrio. Seu comprimento de onda é médio.


Vermelho e rosa: atua no sistema circulatório. Acelera o fluxo de sangue. É uma cor quente, relacionada com amor, paixão e alegria. É utilizada para aumentar a vitalidade.


Laranja: é uma cor energética que representa alegria e felicidade, dá a sensação de bem estar, aumenta a autoestima e a força de vontade. Aumenta o apetite e ajuda a combater a anemia. É indicada, também, para tratar descontentamentos, depressão e pessimismo.


Amarelo: é uma cor clara e alegre. Auxilia a coragem, a sabedoria e o intelecto. Melhora o raciocínio, o aprendizado, a criatividade e a concentração. Promove a digestão, fortalece nervos e glândulas endócrinas. O amarelo ajuda a limpar as impurezas do sistema linfático e a dá energia para as funções intestinais.


Verde: é uma cor neutra, sedativa e relaxante. Quando a pessoa está estressada, o verde traz equilíbrio emocional. Promove as faculdades intelectuais, estimula o sistema imunológico e o crescimento. É uma excelente cor para hospitais e consultórios médicos, por ser harmonizadora.


Azul: limpa, profunda e relaxante, é a cor da paz e do infinito. Acalma a dor, estimula a criatividade, harmoniza o intelecto e os sentimentos. Auxilia a intuição e favorece a meditação. É aconselhável colocar uma lâmpada azul no quarto de crianças agitadas e inquietas. Para os adultos, ajuda contra a insônia e a ansiedade.

Índigo: a cor atua exclusivamente sobre o sangue e a corrente sanguínea. É usada sobre ferimentos com sangue, em artérias, veias e vasos.


Lilás: promove o alerta e a conscientização. É a cor das energias cósmicas e da inspiração. Harmoniza todos os órgãos do corpo. É um excelente cauterizador e higienizador de feridas internas e externas.

Enviado por : Carolina Huggeneyer